Entenda a diferença entre custos, despesas e investimentos

Entenda a diferença entre custos, despesas e investimentos

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Para manter a gestão da sua empresa não é fácil e exige ter todas as informações e dados sobre o negócio de forma clara e fácil. Dentre esses dados, um bastante importante para a gestão de contas é referente as saídas, que são todos os gastos do estabelecimento em um determinado período.

Entretanto, estas saídas possuem algumas divisões, que são importantes para que consigamos identificar para onde o dinheiro da empresa está sendo destinado e, com isso, tomar decisões mais assertivas.

Os principais tipos de saídas utilizados no meio empresarial são custos, despesas e investimentos. E é exatamente sobre esses três tipos de gastos que vamos falar neste artigo. Se você possui alguma dúvida sobre esse tema, continue lendo este post.

Por que diferenciar esses gastos?

Para algumas pessoas a diferença entre esses termos pode até ser irrelevante, mas nós sabemos que para administrar um negócio é preciso ter de forma clara a definição de cada palavra. 

Mais do que apenas nomenclatura, a diferenciação desses gastos é uma necessidade contábil. Com isso, você consegue acompanhar a saúde financeira da organização, podendo, quando necessário, realizar ajustes no orçamento.

O que são custos?

Custo é todo o valor destinado para a produção de bens e serviços. Ou seja, são os gastos destinados à produção de todo bem e serviço de vinculação direta com a atividade da empresa.  

O custo pode ser dividido em direto e indireto. O custo direto é tudo aquilo ligado a fabricação de um produto, como a matéria-prima, por exemplo. Este custo deve ser muito bem mensurável, uma vez que deve compor o cálculo do custo de produção.

Já o custo indireto é aquele que está indiretamente ligado a produção de um produto, como a manutenção de máquinas, limpeza, entre outros. 

Para certificar de que trata-se realmente de um custo é só questionar: “sem este gasto, é possível vender/executar o produto ou serviço?”. Se a resposta for não, este gasto é considerado custo.

O que são despesas?

As despesas são aqueles valores gastos para administrar e sustentar o funcionamento da empresa sem que tenha impacto direto no processo de produção.

Esses gastos não visam um retorno financeiro, mas são necessários para que a empresa consiga gerar receita. Alguns exemplos são energia elétrica, água, aluguel e impostos

As despesas podem ser divididas em fixas e variáveis. As fixas são aquelas que não sofrem variações, mesmo que a produção e/ou o faturamento da empresa oscile, tais como aluguel, internet/telefone, energia e segurança. 

As despesas variáveis são aquelas variam dependendo do faturamento da empresa e estão diretamente ligadas ao custo do produto. Os principais exemplos são comissionamento,  impostos e taxas de adquirentes/cartões.

Caso você possua um e-commerce e ofereça uma promoção de frete grátis, por exemplo, o valor destinado ao frete entrará como uma despesa variável.

O que são investimentos?

Os investimentos são como aplicações de recursos, são valores gastos com o objetivo de se obter um retorno financeiro futuramente. São exemplos de investimentos um empréstimo para ampliação da fábrica e aquisição de novos equipamentos.

Os investimentos não são apenas aquisição de bens físicos. Caso a empresa adquira um curso profissionalizante para algum funcionário adquirir/aprimorar uma habilidade destinada a sua função na empresa, este curso pode ser considerado um investimento, uma vez que a organização será beneficiada.

Se estiver na dúvida se algo é uma despesa ou investimento, aconselhamos a questionar se tal gasto irá agregar valor, futuramente, na empresa.

E agora, como gerenciar essas saídas?

Como mostramos, cada um desses gastos possui uma finalidade diferente. Saber a diferença entre eles é importante para conseguir registrar corretamente os seus valores, assim como avaliar os resultados da empresa sob uma perspectiva financeira.

Entender o que significa cada um destes gastos é importante para definir quais podem ser reduzidos e as áreas que precisam de investimento.  Contudo, vale ressaltar que, não é porque são considerados “gastos”, que podem ser reduzidos ou cortados de qualquer forma.
Para facilitar o gerenciamento é aconselhável contar com um sistema de gestão, onde você consegue lançar, corretamente, cada uma das saídas, além de ter uma visão centralizada de tudo que está acontecendo no seu negócio.

Artigos Relacionados

05 banner calcular dre
O que é e como calcular a DRE [PLANILHA GRÁTIS]
Gerenciar uma empresa exige ter acesso aos dados da empresa, entender a situação e realizar as estratégias necessárias. Nesse sentido, ter a DRE em dia facilita a vida do gestor.
03 banner porque empresas precisam de erp2
Por que empresas precisam de um sistema ERP?
Será mesmo que todas as empresas precisam de um sistema de gestão ERP? Nesse artigo mostramos porque investir nessa ferramenta é crucial para o crescimento do seu negócio.
19 artigo estrategia omnichannel
Omnichannel: como aplicar essa estratégia na sua empresa?
Provavelmente você já deve ter ouvido algo sobre omnichannel. Mas, você sabe o que essa palavra significa? Já aplica...
;